SPS abre mão de reajuste e mantém tarifas de gás para casas e comércio


Continua depois da publicidade


Fonte: Folha Online - 31/05/07

Apesar da autorização da CSPE (Comissão de Serviços Públicos de Energia) para que as empresas distribuidoras de gás natural no Estado de São Paulo aumentem as tarifas a partir de 1º de junho, a Gas Natural São Paulo Sul afirmou, nesta quarta-feira (30), que manterá inalteradas por mais um ano as tarifas de gás natural aplicadas para clientes residenciais e comerciais.

Para os postos de GNV (Gás Natural Veicular), as tarifas, conforme determinação da CSPE, terão reajuste negativo de 0,33%, na expectativa de que a redução beneficie aos consumidores.

No entanto, segundo comunicado da empresa, para os clientes industriais, embora o preço do gás natural importado da Bolívia tenha permanecido estável e o dólar desvalorizado no período, poderá ocorrer reajuste das tarifas dependendo do volume de gás mensal consumido. O motivo, de acordo com a Gas Natural, é o peso do IGP-M --que acumulou acréscimo de 4,67% no período-- na composição da fórmula de cálculo da tarifa.

Ainda de acordo com a Gas Natural São Paulo Sul, a empresa completará dois anos, desde 1º de junho de 2006, sem praticar aumento das tarifas para todos os segmentos. Esta medida beneficiará tanto atuais, quanto novos clientes desses segmentos, diz o comunicado.

A empresa diz também que investirá um total de R$ 27,5 milhões, em toda a sua área de atuação, em 2007. Desta forma, a Gas Natural espera atingir as metas de 21% de crescimento do número total de clientes (somando cerca de 30.800), de 12% das vendas totais de gás natural no ano (atingindo 460 milhões de cubicos) e de 8% da quantidade de redes de distribuição construídas (chegando a 1.142 quilômetros) até o final deste ano.

Atualmente, a Gas Natural São Paulo Sul atende 26 mil clientes de gás natural na região Sul do Estado, sendo, aproximadamente: 25 mil residências, 700 comércios, 200 indústrias e 29 postos de GNV em 17 municípios da região Sul do Estado de São Paulo.

Aumentos


Ontem, a CSPE, agência reguladora dos serviços de gás canalizado do Estado de São Paulo, anunciou a autorização para um reajuste de até 2,6% no gás canalizado. As tarifas seriam reajustadas para os consumidores das áreas de concessão da Comgás e da Gás Natural São Paulo Sul.

De acordo com a CSPE, as tarifas são reajustadas anualmente de acordo com a data de assinatura do contrato de concessão de cada concessionária. Neste procedimento são considerados os valores da margem de distribuição e a atualização do preço do gás (boliviano e nacional) e do transporte.

Neste ano, os preços do gás boliviano, embora tenham sofrido acréscimos, foram compensados pela redução do valor do dólar no período.

A Comgás contrata cerca de 75% do suprimento de origem boliviana, enquanto a Gás Natural SPS contrata 100% do suprimento da Bolívia. No caso da Comgás, a tarifa foi influenciada também pelo aumento de 21,29% aplicado ao gás de origem nacional.

A tarifa para um consumidor residencial que utiliza 16 metros cúbicos (equivalente a um botijão de gás GLP) terá um acréscimo de R$ 1,00 no valor total de sua conta, por exemplo.

Já a tarifa de gás veicular para os postos de GNV (Gás Natural Veicular), da área da Comgás, terá um acréscimo de R$ 0,015 por metro cúbico. A expectativa é de que este pequeno reajuste, em princípio, não resultará em alteração no preço pago pelo usuário final.

Com base nas tabelas divulgadas pela CSPE, os reajustes autorizados são as seguintes:

Comgás:

    * Segmento residencial consumo de 5m3: 2,25%
    * Segmento residencial consumo de 15m3: 2,29%
    * Segmento comercial consumo de 100m3: 2,30%
    * Segmento industrial consumo de 1.000m3: 2,32%
    * Segmento industrial consumo de 50.000m3: 2,40%
    * GNV (Gás Natural Veicular): 2,60%

Gás Natural SPS:

    * Segmento residencial consumo de 5m3: 2,69%
    * Segmento residencial consumo de 15m3: 2,44%
    * Segmento comercial consumo de 100m3: 2,19%
    * Segmento industrial consumo de 1.000m3: 1,99%
    * Segmento industrial consumo de 50.000m3: 1,32%
    * GNV (Gás Natural Veicular): - 0,33% (negativo)
Tópicos:



Comentários