A GE finalmente troca o mercado financeiro pelo capacete de fábrica

Ícone da Revolução Industrial nos Estados Unidos, a gigante havia se transformado numa enorme empresa de serviços financeiros. A pandemia vai levar o foco da GE de novo para a indústria.

Apesar de ser um ícone da Revolução Industrial nos Estados Unidos por ter sido fundada pelo inventor prolífico Thomas Edison, há uma década a gigante General Electric havia se transformado em uma enorme empresa de serviços financeiros maior do que todas, exceto por alguns bancos americanos.

Essa transformação trouxe junto uma rede alucinante de negócios, contabilidade opaca e riscos financeiros que a perseguiram por anos. Portanto, quando o CEO, Larry Culp, anunciou em 10 de março um acordo de US$ 30 bilhões para tirar de seu portfólio o negócio de leasing de aeronaves da GE, essa mudança trouxe algo há muito ausente da empresa: a simplicidade.

O negócio de leasing de aeronaves da GE Capital – Serviços de Aviação, ou Gecas, era o maior negócio remanescente da GE Capital, a outrora prolífica empresa de serviços financeiros que em 2010 tinha mais de US$ 600 bilhões em ativos.

Após a venda da operação para a rival irlandesa AerCap Holdings se encerrar daqui a um ano, a GE planeja transferir o que diz serem apenas US$ 21 bilhões em ativos remanescentes da GE Capital para seu balanço industrial.

Também deixará de relatar resultados para os negócios de serviços financeiros, industriais e combinados da GE separadamente, simplificando os complexos relatórios financeiros que alimentavam as críticas de que os problemas podiam – e às vezes aconteciam – ficar escondidos por anos nessas demonstrações contábeis antes de se revelarem.

“É por isso que digo que este negócio é tão transformador para nós”, diz Culp. “Acabamos nos concentrando em nossos quatro principais negócios industriais. Na verdade, não iremos mais falar sobre a GE Capital daqui em diante”.

A GE planeja usar os recursos desta negociação – que incluem US$ 24 bilhões em dinheiro, uma participação de 46% na AerCap avaliada em US $ 6 bilhões, mais US$ 1 bilhão adicional no fechamento – para ajudar a pagar outros US$ 30 bilhões do peso da enorme dívida da empresa. Isso traria a redução total da dívida – uma das principais prioridades de Culp desde que se tornou CEO em 2018 – para cerca de US$ 70 bilhões desde aquele ano.

Reorientação dos negócios

Juntos, os movimentos radicais irão reorientar a GE em torno de suas operações de produção, principalmente fabricando e prestando serviços de manutenção a equipamentos de usinas elétricas a gás, scanners médicos, turbinas eólicas e motores a jato.


Continua depois da publicidade


Esses movimentos “simplificarão significativamente não apenas os relatórios, mas também a capacidade da administração de se concentrar em 'fazer as coisas' da GE novamente”, disse o analista do UBS, Markus Mittermaier, em nota ao cliente.

A simplificação não vem isenta de riscos. A avaliação de crédito da GE pode ser reduzida, porque a dívida em seu balanço industrial aumentará para cerca de US$ 70 bilhões após o fechamento da transação com a AerCap.

A diretora financeira da GE, Carolina Dybeck Happe, diz que a empresa planeja recomprar US$ 25 bilhões de seus títulos após a venda e pretende chegar a dívidas de menos de US$ 45 bilhões até 2023. O analista do JP Morgan, Steve Tusa, um urso veterano da GE, expressou preocupação com o efeito do negócio sobre o endividamento da empresa em uma nota aos clientes, dizendo: “Vemos desvantagens materiais a partir daqui” para as ações da GE.

O impacto da pandemia

A recuperação da GE de Culp ainda é um trabalho em andamento e suas unidades industriais enfrentam uma série de desafios. As viagens aéreas estão restritas e permanecerão abaixo dos níveis pré-pandêmicos por anos, prejudicando a unidade de motores a jato da GE.

A empresa espera que este ano a receita diminua novamente em seu negócio de turbinas a gás em meio a uma mudança em direção a fontes de energia renováveis ​​para cumprir as metas de redução de carbono.

A GE Aviation, o maior negócio industrial da empresa com receita de US$ 22 bilhões no ano passado – e historicamente sua divisão mais lucrativa – foi destruída pela pandemia, com companhias aéreas estacionando jatos e reduzindo voos. A GE espera que sua receita e margens de lucro melhorem em 2021, à medida que as viagens aéreas começam a se recuperar, mas a maior parte desse melhoramento não virá antes do segundo semestre.

Mesmo assim, o CEO da GE Aviation, John Slattery, diz que a unidade continua a investir na próxima geração de motores a jato, já que a indústria enfrenta uma crescente pressão para reduzir seu rastro de carbono.

A empresa planeja gastar US$ 1,8 bilhão em ações de pesquisa e desenvolvimento este ano, em linha com os níveis de 2020, em um esforço para desenvolver um motor de última geração para jatos de corredor único que oferece uma redução de mais de 20% na queima de combustível em comparação com os mais recentes motores da CFM Internacional, uma joint venture da GE com a francesa Safran.

Operadores de usinas de energia estão se esforçando para reduzir as emissões e isso também representa um desafio para a GE Power, uma empresa de turbinas a gás cujo equipamento instalado fornece cerca de metade da geração mundial de energia a gás.

A unidade está se recuperando das quedas de receita causadas em parte pelo excesso de capacidade global e a mudança em direção à energia renovável. Progrediu, gerando fluxo de caixa livre positivo em 2020, um ano antes do planejado.

Aposta no hidrogênio

Embora as turbinas a gás sejam uma importante fonte de emissões de carbono, os executivos da GE argumentam que o gás ainda é um combustível mais limpo para as operadoras do que o carvão. O CEO da GE Gas Power, Scott Strazik, diz que a última geração de grandes turbinas da empresa emite cerca de um terço do dióxido de carbono produzido pelo carvão e pode operar com combustíveis misturados com até 60% de hidrogênio, o que está chamando mais atenção porque não emite dióxido de carbono quando queimado.

A divisão de energia renovável tem sido um ponto crucial da recuperação da GE, beneficiando-se do vento, tornando-se uma parte maior do setor de geração de energia global e ultrapassando a Vestas Systems, da Dinamarca como maior produtora mundial de turbinas em 2020, de acordo com a BloombergNEF.

A GE espera que a divisão – responsável por cerca de US$ 1,5 bilhão em perdas combinadas durante os últimos dois anos – comece a gerar caixa este ano e tenha lucro em 2022, à medida que aumenta as instalações de enormes turbinas eólicas offshore. Espera-se que esse mercado cresça rapidamente nos próximos anos e a GE prevê que seu equipamento eólico offshore produzirá US$ 3 bilhões em receita adicional até 2024.

Crise de 2008

O ex CEO, Jack Welch, transformou a GE Capital em um dos maiores bancos da Wall Street, oferecendo de tudo, desde cartões de crédito a empréstimos imobiliários comerciais e seguro para animais de estimação.

Em seu auge, foi responsável por cerca de metade das vendas e lucros da GE. Rachaduras começaram a aparecer depois que Jeffrey Immelt assumiu o controle em 2001, e a unidade de crédito quase afundou a matriz industrial durante a crise financeira de 2008.

Immelt movimentou-se para enxugar a GE Capital nos anos que se seguiram. Ele acelerou em 2015 com um plano para se desfazer de mais da metade dos ativos da GE Capital, mantendo apenas os negócios que apoiavam as operações de fabricação da GE.

Mas no início de 2018, não muito depois de o CEO John Flannery assumir o comando, a GE chocou os investidores ao revelar uma queda de US$ 15 bilhões em reservas em um antigo portfólio de apólices de seguro de longo prazo que havia se deteriorado gravemente, um lembrete dos riscos à espreita na GE Capital.

A notícia gerou uma investigação pelos reguladores de valores mobiliários dos EUA que resultou em um acordo em dezembro, no qual a GE concordou em pagar uma multa de US$ 200 milhões sem admitir ou negar irregularidades.

Alguns remanescentes da GE Capital permanecerão com a empresa após o negócio com a AerCap. A GE manterá a carteira de seguros, por exemplo, que tinha US$ 50 bilhões em ativos no final de 2020; as participações tornaram-se menos imprevisíveis recentemente, em parte graças ao aumento das taxas de juros. Culp disse aos analistas que, caso um comprador em potencial demonstrasse interesse, a GE “iria conversar”.

Por enquanto, seu foco principal é administrar a dívida enquanto aumenta a receita em meio à recuperação da economia pós-pandêmica e à contínua revolução verde, algo que alguns analistas dizem ser uma possibilidade.

“À medida que a General Electric muda para investimentos de crescimento e vendas orgânicas após anos de cortes de portfólio e reparo de balanço patrimonial, acreditamos que seculares ventos favoráveis ​​em mercados afetados pelas mudanças climáticas possam alimentar ganhos de participação de mercado de longo prazo”, analistas da Bloomberg Intelligence, Karen Ubelhart e Christina Constantino escreveram a respeito em uma nota de 16 de março.

No mínimo, ter a GE Capital no espelho retrovisor deixa Culp com um problema a menos com que se preocupar.

Tópicos:



Comentários