AVALIAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS DE USINAGEM ASCENDENTE E DESCENDENTE NO FRESAMENTO DE SUPERFÍCIES INCLINADAS COM FRESAS ESFÉRICAS

por: Gabriel Habitzreuter, Luiz Carlos Santana de Freitas, Denis Boing

Acessar artigo completo



Ano: 2019

Instituições de ensino: Centro Universitário de Brusque , Centro Universitário de Brusque , Centro Universitário de Brusque

Idioma: Portugues

Logo-abcm-300
Logo-cobef-2019



Resumo

A complexidade geométrica dos produtos fabricados por injeção impacta em desafios na usinagem dos moldes e matrizes, especialmente em relação às áreas de difícil acesso, elevado comprimento em balanço da ferramenta e a constante variação do ponto de contato entre a ferramenta de corte e a peça. Neste contexto, este estudo aborda o fresamento de superfícies inclinadas (15º) no aço VP Atlas com dureza de 40 HRC, utilizando fresas esféricas com Ø6 mm. Foi avaliado o impacto das estratégias de usinagem ascendente e descendente no acabamento da superfície, na topografia gerada e no desgaste da ferramenta. A estratégia de corte ascendente proporcionou uma superfície inclinada com menor valor de rugosidade, Sa = 0,76 µm quando comparada a estratégia descendente Sa = 3,79 µm. A topografia da superfície gerada pela usinagem ascendente é periódica e formada pela cinemática da operação (f e ae), enquanto que a estratégia descendente proporcionou uma superfície aperiódica. A estratégia ascendente proporcionou menor desgaste da ferramenta (VBB= 58 µm e WMD= 27 µm) comparada a estratégia descendente (VBB= 81 µm e WMD= 33 µm).


Palavras chave

Acessar artigo completo




Comentários



Veja outros trabalhos acadêmicos

Outros conteúdos

Fórum

Tire suas dúvidas e ajude outras pessoas no CIMM:

Faça uma pergunta