Projeto da CSN deve ganhar licença ambiental


Continua depois da publicidade


Fonte: IBS - 22/03/2007

A joint venture de placas entre a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) e a Baosteel no Brasil deve receber aprovação dos órgãos ambientais brasileiros em abril, disse o diretor geral de operações (COO) da CSN, Luiz Migliora, durante a conferência SBB/AIIS's North American Steel, em Chicago. O projeto terá capacidade inicial de 4.5 milhões de toneladas anuais e será localizado em Itaguaí, no estado do Rio de Janeiro, conforme já divulgado pela Steel Business Briefing.

O projeto poderia marcar um importante passo rumo à internacionalização de ambas as companhias. Atualmente a CSN possui operações de laminação na América do Norte e na Europa, enquanto a Baosteel opera apenas na China.

Uma vez que o projeto tenha início, as obras devem levar cerca de três anos para serem concluídas. Numa segunda etapa, a joint venture pode ter capacidade adicional de 4.5 milhões de toneladas anuais, numa usina localizada no estado do Rio de Janeiro (Itaguaí) ou em Minas Gerais (Casa de Pedra).

Ainda não se sabe se a Baosteel irá despachar sua parcela de placas, e nem para que país. Embora acredite-se que o recente estudo de viabilidade do projeto já tenha recebido sinal verde do governo brasileiro, a Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento da China (NDRC, pela sigla em inglês) ainda precisaria dar a aprovação final para o envolvimento da Baosteel.

Há informações, não confirmadas, de que a placa produzida pela joint venture teria mais de 1.800mm de largura.



Comentários