Cerimônia de abertura da 6ª edição da ABM WEEK é marcada por emoção e homenagens

Depois de dois anos de adiamentos por causa da pandemia, maior evento das áreas de siderurgia, mineração e materiais volta a ser realizado.

A cerimônia de abertura da 6ª edição da ABM WEEK, realizada na tarde desta terça (7) no Pro Magno Centro de Eventos, em São Paulo, reuniu em um auditório lotado os organizadores do evento técnico-científico e centenas de participantes ávidos pela troca de ideias e conhecimentos propiciada pela semana, após dois anos de adiamento por conta da pandemia.

“A ABM WEEK tem a enorme missão de promover o intercâmbio tecnológico e de conhecimento no setor, buscando aumentar sua competitividade. Tenho certeza de que serão três dias intensos, com uma programação robusta focada em inovação tecnológica e nas tendências que vão nos guiar”, afirmou Marcos Eduardo Faraco Wahrhaftig, vice-presidente da Operação da Gerdau Brasil e coordenador geral da 6ª ABM WEEK.

O encontro recebeu mais de 800 trabalhos, que serão apresentados nas sessões técnicas ao longo da semana, um número muito expressivo de contribuições, sobretudo em um momento em que ainda se sentem os impactos do auge da pandemia de Covid-19, conforme lembrou Horacidio Leal Barbosa Filho, presidente executivo da Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM)

“Ao longo dos dois últimos anos, tivemos que nos reinventar”, Leal salientou na cerimônia, destacando que a ABM se fez presente entre seus associados por meio de webinars ao longo da pandemia, além de ter investido em uma reestruturação dos regionais da Associação.

“Além disso, transformamos parte da nossa sede na Casa de Metal Espaço Cultural, com participação dos nossos mantenedores”, ele acrescentou.

O momento crítico recentemente vivenciado pode apontar para novos caminhos futuros, argumentou Sergio Leite de Andrade, presidente do conselho de administração da Usiminas e presidente do Conselho de Administração da ABM.


Continua depois da publicidade


“Falar da ABM é falar de gente. Ela nos marca de maneira muito profunda”, ele declarou.

Maurício Metz, diretor corporativo industrial, de engenharia e SSMA da Gerdau, lembrou que a ABM existe desde 1944, “de forma que sua história se confunde com a história da indústria no país”. O evento, na opinião dele, funcionará como um fórum importante para a indústria neste momento, especialmente considerando o período adverso recém enfrentado.

“Os dois últimos anos foram desafiadores, mas acreditamos que eles fazem parte de um caminho para a sustentabilidade dos nossos negócios”, ele afirmou.

Metz apontou que a Gerdau manteve seu foco no desenvolvimento e na qualificação de seus produtos, tendo investido no segmento de aços especiais e aços longos e preparando-se para inaugurar uma unidade de lingotamento no interior de São Paulo.

A cerimônia também incluiu as premiações e homenagens tradicionalmente conferidas pela ABM e por patrocinadores. 

A Medalha Hubertus Colpaert 2020, que reconhece o mérito em metalurgia física e metalografia, foi dada a Dagoberto Brandão Santos, professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Alamar Kasan Duarte recebeu a Medalha Vicente Chiaverini 2021 de mérito em processos. 

Patrocinadores entregaram sete prêmios temáticos: redução e aglomeração de minérios (Família Meyers), incentivo à iniciação científica (Waelzholz Brasmetal Laminação), Prêmio Luiz Dumont Villares (Villares Metals), Villares Metals Bronze (Villares Metals), Villares Metals Prata (Villares Metals), Usiminas de Inovação (Usiminas) e Vale.

Também foi entregue o prêmio JMRT Career Award ao engenheiro Dirk Raabe, do Max-Planck-Institut für Eisenforschung.

Por fim, a maior honraria concedida pela Associação, a Medalha de Mérito da ABM, foi conferida – em um palco 100% feminino – aos homenageados de 2020, a consultora Vânia Lúcia de Lima Andrade e o Instituto Nacional de Tecnologia (INT), representado por sua presidente, Iêda Maria Vieira Caminha. 

“A ABM me permite construir o meu legado na minha profissão. Sempre trabalhei na mineração. Hoje eu trabalho na ABM para melhorar a mineração. Sou grata por isso”, agradeceu Vânia.

Iêda ressaltou que o INT está completando 100 de existência, algo que fez a premiação ser ainda mais significativa.

“Após receber a Medalha de Mérito da ABM [categoria pessoa física] há quatro anos, estou de volta ao palco da Associação. Os desafios continuam – e o INT continua determinado a se direcionar para novas competências”, ela afirmou.




Comentários