Vale prevê investir US$ 5,8 bilhões em 2022


Continua depois da publicidade


Sem projetos faraônicos na carteira de investimentos como no passado, a mineradora Vale divulgou nesta terça-feira (30), durante encontro presencial com analistas na Bolsa de Nova York, que pretende investir US$ 5,8 bilhões em 2022, incluindo plantas de filtragem de rejeitos, descaracterização de barragens a montante e outras frentes de crescimento. Para os anos seguintes, a empresa informou que deve desembolsar investimentos na faixa de US$ 5 bilhões a US$ 6 bilhões anualmente.

Durante a apresentação para investidores, a Vale detalhou que a companhia deverá atingir uma capacidade de produção de 370 milhões de toneladas de minério de ferro ao fim de 2022, frente a uma capacidade atual de 341 milhões de toneladas.

Esse crescimento será resultado de investimentos feitos nos últimos anos, incluindo capacidades adicionais nas operações do Sistema Norte, como o projeto Gelado, na Serra Norte, e ampliações no S11D, no Pará. Ao longo dessa década, a produção poderá chegar a 400 milhões de toneladas por ano.

O presidente da Vale, Eduardo Bartolomeo, disse, em entrevista ao Estadão, que o mercado de minério de ferro vive um "ruído de curto prazo" na China, principal destino da produção da mineradora.

Para ele, porém, o mercado deve ficar "mais ou menos equilibrado" a partir do segundo trimestre de 2022, depois da realização dos Jogos de Inverno de Pequim, marcados para fevereiro de 2022.

"A China, deliberadamente, segurou o crescimento para não superaquecer a economia, para bater meta de energia e de controle de poluição. Acho que o mercado vai continuar assim até a Olimpíada", ressaltou Bartolomeo. "Não vemos a China com crescimento negativo no ano que vem, produzindo menos de 1 bilhão de toneladas de aço em 2022. Seria um pouso forçado que a gente não vê", completou.

Além do minério de ferro, a Vale tem outra frente de crescimento nas operações de metais básicos - como cobre e níquel, por exemplo.


Continua depois da publicidade


A expectativa é de que a operação tenha trajetória de recuperação, após "muitos desafios" em 2021. Além da greve de funcionários na mina de Sudbury, no Canadá, a Vale sofreu também com atrasos na manutenção da mina de Sossego, localizada no Estado do Pará, por causa de restrições impostas pela companhia.

Outros planos

Bartolomeo disse a analistas que a operação de metais básicos é uma plataforma de crescimento e diversificação. A expectativa é de que a produção de níquel alcance de 175 mil a 190 mil toneladas em 2022, acima do estimado para 2021. No caso do cobre, a produção deverá ficar na faixa de 330 mil a 335 mil toneladas em 2022, acima do intervalo entre 295 mil e 300 mil toneladas registrado em 2021.

Nos cálculos do mercado, a operação de metais básicos da Vale pode valer quase US$ 30 bilhões, valor correspondente a sete vezes a geração de caixa operacional, de US$ 4 bilhões. O mercado espera que a Vale faça uma cisão do ativo e, eventualmente, parta para sua abertura de capital. Ontem, o vice-presidente executivo de estratégia e transformação de negócios, Luciano Siani, disse que uma decisão nesse sentido deve ficar para 2023. O Repórter viajou a convite da Vale.

*As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.




Comentários