Importações de bens de capital aumentam 33,1% em julho de 2021, em comparação a julho de 2020


Continua depois da publicidade


O setor de bens de capital teve a décima primeira taxa positiva consecutiva, frente ao mesmo mês do ano anterior. O segmento obteve crescimento de 33,1% em julho de 2021  influenciado pelas altas na maior parte dos grupamentos, com destaque para bens de capital para equipamentos de transporte (56,5%). As demais taxas positivas vieram de bens de capital para fins industriais (15,0%), para construção (67,0%), de uso misto (15,2%) e agrícolas (15,0%), segundo os dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia). 

A pesquisa ainda aponta que a produção industrial no geral obteve avanço de 1,2% frente a julho de 2020, com resultados positivos em duas das quatro grandes categorias econômicas, 14 dos 26 ramos, 46 dos 79 grupos e 54,4% dos 805 produtos pesquisados. Entre as atividades, o setor de máquinas e equipamentos é uma das principais influências positivas,  correspondendo à alta de 26,2%.

“O aumento de 33,1% na importação de bens de capital em julho de 2021, em relação a 2020, demonstra que houve uma reversão de tendência, na qual as indústrias perceberam que importar bens intermediários e componentes para serem agregados e montados a produtos manufaturados aqui no Brasil, pode causar riscos e prejuízos”, comenta Paulo Castelo Branco, economista e presidente executivo da Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais). 

O especialista acrescenta que a pandemia mudou muito o contexto de compras oriundas de importação  de máquinas e equipamentos no País. No início de março de 2020,  a importação de máquinas praticamente parou por cerca de dois meses, devido à necessidade de prevenir contaminação por Covid-19  e a perspectiva de que não haveria consumo ou compras pelas empresas de máquinas, mas isso somente ocorreria com o passar do tempo.

A indústria brasileira começou a reagir. “A partir de meados de 2020, a demanda por produtos industriais começou a operar em alta, principalmente em itens que começaram a ser mais procurados na pandemia, como notebooks e equipamentos, pois nos meses de junho e julho do ano passado, as máquinas que estavam no estoque em um mês e meio foram todas comercializadas, e assim acabaram os produtos se esgotaram”, aponta Castelo Branco.


Continua depois da publicidade


Sendo assim, o setor produtivo aumentou o interesse por importações de máquinas e equipamentos industriais com alta tecnologia embarcada, mesmo que o aumento exagerado da moeda americana tenha gerando um custo “maior”, ante o cenário pré-pandemia. Mesmo assim, o interesse é crescente. “Você não tem alternativa, se quiser produzir com competitividade. Aliás, isso vai ao encontro do que a ABIMEI defende: importação de bens de capital com alta tecnologia para produção local de bens intermediários “, afirmou. 

A pesquisa realizada pelo IBGE também mostra que entre as grandes categorias econômicas de janeiro a julho de 2021, houve altas em bens de consumo duráveis (27,8%), bens intermediários (9,0%), bens de consumo (8,5), semiduráveis e não duráveis (4,5%). Além disso, a indústria em geral  acumulou crescimento de 11%.




Comentários