Falta de chips no mercado afeta montadoras como GM e Mercedes


Continua depois da publicidade


A GM (General Motors) disse na última quinta-feira (02) que reduzirá a produção em muitas montadoras da América do Norte neste mês devido à contínua escassez de chips semicondutores, atingindo suas lucrativas picapes e veículos utilitários esportivos.

A maior montadora dos Estados Unidos interromperá a produção na próxima semana em sua fábrica de Fort Wayne, no Estado de Indiana, e em sua fábrica de Silao, no México, ambas produzindo picapes.

No total, a GM está cortando a produção em oito montadoras norte-americanas em setembro. Também como efeito da escassez, a empresa começou a recorrer a reparos e envio de veículos inacabados às concessionárias.

Daimler e Mercedes também são afetadas por escassez

Além da GM, a montadora de carros de luxo Daimler também afirmou, também no dia 2, que espera vendas significativamente menores no terceiro trimestre em sua unidade da Mercedes, devido à escassez global de semicondutores, tornando-se a mais recente em uma série de fabricantes a ter suas receitas afetadas.

Montadoras desde o grupo norte-americano GM ao indiano Mahindra cortaram a produção e projeções devido à falta de fornecimento de chips, acentuada pelo ressurgimento da Covid-19 em polos de produção chave de semicondutores na Ásia.

“Com o fechamento de fábricas em fornecedoras de semicondutores na Malásia e outros locais, o desafio ficou ainda maior agora, então nossas vendas no terceiro trimestre provavelmente serão notavelmente menores do que no segundo trimestre”, disse o presidente-executivo da Daimler, Ola Kaellenius, à semanal Automobilwoche em uma entrevista.

Kaellenius não especificou como a produção seria afetada pela escassez. A montadora cortou horas de trabalho em julho em fábricas na Alemanha e na Hungria por causa da falta de fornecimento de chips. A Daimler não estava disponível para comentário em um primeiro momento.


Continua depois da publicidade


Ainda assim, Kaellenius afirmou que estava confiante de que a Daimler estava mais bem preparada do que antes da pandemia para os problemas com a cadeia de abastecimento. “Tornamos nosso negócio muito mais flexível e impermeável”, disse, acrescentando que os consumidores estavam acostumados a esperar por produtos muito procurados.

A Daimler estendeu contratos em seus serviços de leasing para aliviar as preocupações dos clientes esperando seus pedidos de novos carros, disse o CEO.

A Daimler não mexeu na sua projeção de margem de lucro para o ano em julho, após relatar ganhos melhores que o esperado no segundo trimestre. Como a GM, afirmou naquela época que estava preparando os veículos inacabados tanto quanto poderia para estar pronto para encaixar os chips quando eles chegassem.

Kaellenius evitou prever um fim para a escassez, pontuando que problemas de fornecimento, como os lockdowns na Malásia, eram impossíveis de serem previstos. “O que é importante é que existe a demanda por carros”, disse. “Em algum momento, o problema do chip será resolvido.”

A Daimler deve relatar seus ganhos no terceiro trimestre em 29 de outubro. (Com Reuters)




Comentários