Com robô para pré-sal, Senai é finalista do Prêmio ANP de Inovação

Projeto premiado é o robô Annelida, em desenvolvimento nos Institutos SENAI de Inovação, para fazer a limpeza de hidratos e parafinas que, devido ao resfriamento, se acumulam nas paredes de dutos da extração de petróleo do pré-sal; a atuação do robô eliminará perdas bilionárias da estatal com substituição de peças danificadas e lucro cessante.

Pela segunda vez, os Institutos SENAI de Inovação em Sistemas Embarcados, de Florianópolis (SC), e de Polímeros, de São Leopoldo (RS), são finalistas do Prêmio ANP de Inovação Tecnológica 2020, da Agência Nacional de Petróleo, pelo desenvolvimento do robô Annelida, que terá a função de limpar dutos de do pré-sal. A primeira premiação ocorreu em 2019, na fase 1 do projeto. Em 2021, a premiação decorre dos avanços do projeto, que entrou na fase 2. A inovação tem parceria com as Universidades Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e de São Paulo (USP).

“Esta conquista, que repete o feito de 2019, é uma amostra do potencial de inovação que está à disposição da nossa indústria nos Institutos SENAI de Inovação. É um importante reconhecimento da capacidade técnica dos profissionais e de seu compromisso com o desenvolvimento da indústria nacional. Temos bons e importantes projetos em andamento  e uma premiação como essa traz ainda mais motivação e incentivo aos pesquisadores e desenvolvedores”, destaca o presidente da FIESC, Mário Cezar de Aguiar.

O equipamento fará uma limpeza de hidratos e parafinas que aderem à parede dos dutos devido à solidificação do óleo durante sua extração. O petróleo extraído do pré-sal sai do solo a uma temperatura de 60 a 70 graus C, mas vai se resfriando ao passar pelo oceano, num percurso de até 15 quilômetros, podendo chegar à temperatura de quatro graus, mudança que solidifica o insumo, podendo entupir os dutos. Essa limpeza dos dutos ajudará a estatal petrolífera a reduzir perdas de bilhões de reais na substituição de dutos danificados e em lucros cessantes. 

A complexidade do projeto exigiu das instituições parceiras o desenvolvimento de 14 novas tecnologias. Entre elas estão sistemas de aquecimento, de alimentação, sensoriamento, controle e comunicação, transmissão de carga, vasos de pressão, até um processo específico de análise de risco. 


Continua depois da publicidade


Na primeira fase do projeto, foi desenvolvido e validado o conceito do robô e seus componentes, com testes em ambientes controlados. Na fase 2, iniciada em janeiro de 2021, o robô passará por testes em campo. 

A premiação ainda não tem data para ser realizada.

Sobre o Robô Annelida

O robô é inserido na linha a partir da plataforma, se desloca até a obstrução utilizando um mecanismo peristáltico com sistema de auto-travamento, realiza a remoção do hidrato ou parafina através de uma reação local controlada de aquecimento, retorna para a plataforma e é recolhido. Ao longo do projeto, foram desenvolvidas diversas tecnologias, para as diferentes funcionalidades e aspectos: 

  1. Sistema e Método para Intervenção em Dutos Rígidos e em Linhas Flexíveis Não Pigáveis através de uma Unidade Robótica Autopropulsada;
  2. Sistema Para Aquecimento Controlado Através de uma Reação Química com Controle em Malha Fechada;
  3. Sistema para Transmissão de Carga Através de uma Camada Externa de Fibra Aramida;
  4. Vasos de Pressão em Fibra de Carbono para Proteção da Eletrônica Embarcada;
  5. Cabo Umbilical com Densidade Próxima do Meio e Baixo Coeficiente de Atrito com o aço;
  6. Sistema Para Acesso a Linhas Flexíveis;
  7. Sistema Peristáltico com Mecanismo de Auto-Travamento para Deslocamento sob Elevadas Cargas de Tração;
  8. Sistema para Reconstrução de Trajetória em Ambiente com Sensoriamento Limitado;
  9. Sistema para Visualização do Robô Através de Realidade Virtual;
  10. Sistema de Controle de Liberação do Cabo Umbilical em Sincronia com a Movimentação do Robô;
  11. Sistema Embarcado para Controle e Comunicação do Robô;
  12. Sistema Eletrônico de Sensoriamento, com Controle Semiautônomo e a Prova de Falhas do robô;
  13. Sistema de Terminação do Cabo Umbilical para vias elétricas, hidráulicas e de fibra ótica em Tamanho Reduzido;
  14. Processo Integrado de Análise de Risco assistido por Modelos Estatísticos e Simulações. 

Os diferentes sistemas foram inicialmente desenvolvidos e avaliados teoricamente. A seguir, foram realizadas provas de conceito. Finalmente, os sistemas foram Testados Experimentalmente, com resultados positivos. Esses desenvolvimentos deram origem a 14 novas tecnologias.

Tópicos:



Comentários