Museu Virtual: a história do transporte público em poucos cliques

Plataforma criada pela SPTrans traz acervo com imagens do sistema de transporte desde o começo do século XX


Continua depois da publicidade


Já imaginou conhecer a história do transporte público com poucos cliques, pelo computador ou até mesmo no celular? É o que permite o Museu Virtual da SPTrans.

A plataforma foi publicada em 17 de maio de 2019 com o objetivo de expor o acervo histórico do Museu dos Transportes Públicos Gaetano Ferolla em um ambiente virtual.

A intenção foi facilitar o acesso da população à história do transporte, para que todos possam conhecer o crescimento da cidade e evolução das tecnologias nesta área.

Segundo a SPTrans, o acervo publicado contém imagens do sistema de transporte no começo do século XX até os dias atuais, principalmente por bondes, trólebus e ônibus.

Atualmente, são 27 páginas com cerca de 10 fotos em cada. A fonte principal do site, segundo a SPTrans, é o Museu dos Transportes Públicos, mas conta também com imagens cedidas por colaboradores.

“Faz parte deste projeto a interação com a população, busólogos e apreciadores do tema, que poderão enviar imagens, especificações técnicas e outras fotos permitindo a expansão do acervo do Museu Virtual. Além disso, serão publicas as primeiras edições do Jornal do Ônibus, documentos e fotos de empregados durante as atividades na CMTC/SPTrans”, informou a SPTrans, em nota ao Diário do Transporte.

Os munícipes que quiserem contribuir com o acervo devem entrar em contato com a Assessoria de Marketing da SPTrans via e-mail marketing@sptrans.com.br.

No acervo, você encontra desde um bonde de tração animal na entrada do Viaduto do Chá até imagens de monoblocos que circularam pela capital paulista.

Para conferir o acervo completo, basta acessar sptrans.com.br/museu-virtual.

Museu presencial

A experiência, porém, segundo a SPTrans, não substitui a emoção de uma visita presencial ao Museu dos Transportes, que fica na Av. Cruzeiro do Sul, 780 – Canindé – SP, próximo à estação Armênia do Metrô.


Continua depois da publicidade


O museu guarda relíquias, como o primeiro bonde a circular no Brasil (no Rio de Janeiro, em 1859, e em São Paulo, em 1872) até o primeiro trólebus de fabricação nacional, produzido em 1960.

Integram o acervo da instituição sete veículos, cerca de 1.500 fotos e 1.500 livros, além de móveis, objetos e documentos sobre a evolução do transporte urbano.

Fundado por iniciativa do ex-funcionário da CMTC, Gaetano Ferolla, e enriquecido por doações de colecionadores e instituições, o museu foi inaugurado em 1985 e atualmente é mantido e administrado pela SPTrans.

No museu, a romântica imagem da cidade de São Paulo do século XIX, com seus bondes abertos puxados por animais, continua preservada.

No jardim que recebe visitantes, bancos e luminárias retratam a década de 20. No local, está instalado um bonde de areia, cuja função era espalhar areia nos trilhos para evitar derrapagens dos veículos que carregavam passageiros.

O museu funciona de terça a domingo, das 9h às 17h, com entrada gratuita. Agendamento de visitas monitoradas para escolas pode ser feito pelo telefone (11) 3315-8884.




Comentários