SKA agora é revenda de apalpadores m&h da Hexagon para máquinas-ferramenta

Os sistemas para medição em processo e autocontrole reduzem os tempos de preparação e garantem completa visibilidade dos resultados de cada usinagem.


Continua depois da publicidade


Apalpadores da linha m&h inspecionam peças em fresadoras, centros de usinagem e tornos multi-tarefa, facilitando o alinhamento e obtenção do “ponto zero”, bem como inspecionando geometrias com dimensões críticas, quando a peça ainda está na máquina. “Isto permite alavancar inúmeras sinergias entre as tecnologias CAD, CAM e MES, colocando definitivamente os processos de usinagem em um novo patamar: a manufatura avançada”, afirma Siegfried Koelln, Diretor da SKA.

Um dos princípios da Indústria 4.0 é que a peça e os dados de controle e inspeção devem ser concluídos quando o ciclo de fabricação termina. O uso do apalpador no processo de usinagem possibilita ter a melhor visão da garantia da qualidade na fonte, sem a intervenção do operador e de modo autônomo, criando um sistema auto gerenciável para a qualidade na fonte, que garante fazer certo e preciso já na primeira peça, eliminando refugos e erros da preparação manual.

O processo de manufatura sem papel da peça começa na engenharia, com o projetista fazendo as anotações de manufatura diretamente no 3D, tais como: dimensões, tolerâncias, e símbolos de soldagem. Esses pontos de controle são disponibilizados em um arquivo PDF 3D para a fábrica, eliminando processos de detalhamento 2D que consomem tempo.

Em paralelo, a criação do processo de usinagem da peça pode ser feita pelo programador CAM de maneira off-line sem ocupar tempo precioso de produção.

O programador do CAM, utilizando o Edgecam, por exemplo, pode definir facilmente os pontos de toque do apalpador, integrando com a simulação para eliminar erros e otimizar o processo. Todas as informações relacionadas à usinagem (desenhos, fichas de processo, etc) podem ser disponibilizadas para o chão de fábrica em um terminal inteligente acoplado a máquina, junto como o PDF 3D que vem da engenharia.

Com a peça já na máquina, o apalpador auxilia no posicionamento da peça para a obtenção do ponto-zero, e também no preset das ferramentas, proporcionando ganho de tempo no set-up das máquinas. A ferramenta toolsetter m&h ainda pode controlar o desgaste e a detecção de quebra das ferramentas, garantindo assim que não haja perda de tempo com paradas de máquina. O preset em máquina permite o que se chama de produção com luzes apagadas e é considerado um elemento de produtividade tanto em usinagens de grandes peças (moldes), quanto de produção em massa.


Continua depois da publicidade


Após a usinagem, o apalpador faz a inspeção da peça, verificando a sua conformidade durante o processo de fabricação. Isto permite ir ainda mais além. É possível automatizar eventuais repasses de ferramentas para garantir o dimensional necessário com a peça ainda na máquina.

Todos esses dados elencados pelo apalpador durante o processo e pós-usinagem são controlados em tempo real e apresentados através de relatórios e gráficos atualizados via web no terminal.

Paralelo a isso, dados como tempo de usinagem e paradas de máquina também são coletados pela mesma solução. Os dados serão transformados em informações para analisar perdas e causas, além da visibilidade da estabilidade do processo, rastreabilidade, controle estatístico e alarmes para eventuais desvios do padrão. Desta forma, a empresa tem um indicador OEE (Overall Equipment Effectiveness) que traduz problemas complexos de gestão da produção em informações simples e intuitivas e ajuda a verificar o quanto a empresa está utilizando os recursos disponíveis (máquinas, mão-de-obra e materiais) na produção de maneira efetiva e fidedigna.

Para que a fábrica de luzes apagadas seja viável, é necessário eliminar as tarefas repetitivas do operador, onde através do preset para avaliar desgaste e quebra de ferramenta, e do apalpador para avaliar qualidade e desvios de produção, a máquina possa entender que não está certa e tenha autonomia para se ajustar sozinha. Isso é a fábrica inteligente.  “A competitividade da indústria brasileira passa por investir em tecnologias modernas para reduzir custos e aumentar a produtividade. A SKA ajuda as empresas terem uma usinagem integrada ao longo de todo o ciclo de vida da manufatura, do projeto até a peça final”, afirma Siegfried Koelln.   

Tópicos:



Comentários